Sesi-SP comemora o Dia Nacional do Atleta Paralímpico desenvolvendo o paradesporto há 10 anos

 Por: Amanda Demétrio, Núcleo de Comunicação
20/09/201917:19- atualizado às 10:50 em 15/10/2019

O esporte é uma poderosa ferramenta no trabalho de desenvolvimento social. Além disso, cada vez mais tem se transformado em um instrumento de poder para as pessoas com algum tipo de deficiência. Assim, possibilitando que esses cidadãos ganhem seus espaços e tomem parte dentro dos grupos esportivos.  

E no Dia Nacional do Atleta Paralímpico, o Sesi-SP reforça o trabalho de desenvolvimento de diversas atividades visando a promoção da qualidade de vida e do estilo de vida saudável. Tanto no jogo como em uma atividade física, é possível encontrar elementos que gerem interesses e possibilidades para a transformação de valores, experiências de sucesso e bem-estar, momentos de aprendizagem, cultura e prevenção da saúde.

“O esporte, ao lado da educação, é um dos caminhos mais eficazes para construção social de uma pessoa. O esporte me trouxe essa ideia, de que a pessoa com deficiência ela não é incapaz, ela precisa de uma oportunidade”, comentou Evelyn Oliveira, atleta da bocha paralímpica do Sesi-SP e campeã dos Jogos Rio 2016 e do Parapan de Lima 2019. A atleta completa ainda que se viu pela primeira vez como parte integrante da sociedade após iniciar seus treinos no Sesi-SP com a equipe da unidade de Suzano em 2009.

Presente na instituição desde 2008, quando lançou o programa do Esporte de Rendimento, o desenvolvimento esportivo do Sesi-SP vem crescendo a cada ano. No início de 2009, já com algumas equipes de modalidades olímpicas criadas e iniciando seu processo de participação em competições, a instituição formou seu primeiro grupo de paradesporto com o vôlei sentado. De lá para cá surgiram novas equipes, e hoje, há 10 anos trabalhando neste cenário, são desenvolvidas seis modalidades paralímpicas (vôlei sentado, bocha, goalball, atletismo paralímpico, parabadminton e paratriathlon) nas unidades do SESI de Suzano, Mogi das Cruzes, Santo André, Presidente Prudente e São Carlos.

“Em 2008, assistindo as paralimpíadas de Pequim eu vi uma oportunidade de tentar. Após uma meningite, onde perdi parte dos dedos da mão e dos joelhos, devido a uma necrose, procurei pelo paradesporto e cheguei no Sesi-SP. Eu vi no esporte a possibilidade de uma nova perspectiva de vida. Através do projeto trabalhado aqui eu pude mudar minha vida. Além da vivencia e pratica esportiva, eu tive a oportunidade de frequentar uma faculdade, me formei e hoje sou campeão do Parapan com o vôlei sentado”, comentou Daniel Yoshizawa.

Atualmente, a equipe paralímpica do Sesi-SP é dona de mais um feito dentro do cenário esportivo internacional. Destaque nos Jogos Parapan-americanos de Lima, no Peru, o grupo da indústria paulista contou com o maior número de convocados entre os clubes brasileiros, com 17 nomes, teve grande colaboração na conquista da melhor campanha do Brasil no torneio, e seus atletas retornam para casa com 17 medalhas, sendo 12 de ouro e 5 de prata em quatro modalidades.

O Dia Nacional do Atleta Paralímpico, comemorado no dia 22 de setembro, foi instituído a partir do decreto de lei nº 12.622, de 8 de maio de 2012. Esta data é celebrada em sequência ao Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, em 21 de setembro.

 

Leia também